Sistemas de Informação Geográficas aplicados às temáticas da geologia – Casos de Estudo

O autor pretende apresentar três casos de estudo em que usou os Sistemas de Informação Geográfica com diferentes aplicabilidades, diferentes ferramentas e diferentes objetivos. Assim, serão apresentados os conteúdos de três projetos de investigação, realçando os dados e as ferramentas SIG utilizadas:

  • Projeto MEGASIG (2006) – Monitorização e gestão ambiental dos sapais do Guadiana (UAlg-CSIC-UH)
  • Projeto ERSTA (2008) – Estudo do risco sísmico e de tsunamis no Algarve (PC-LNEG-UAlg-UPorto-IM-LNEC-CEG-IST)
  • Projeto INSHORE (2011) – Sistema integrado de alta resolução para a monitorização costeira (UA-UAlg-UÉvora)

No primeiro caso foi construída uma geodatabase com conteúdos variados destinados principalmente a consulta e alguma edição. O objetivo era criar uma ferramenta de consulta de dados geológico, geoquímicos, ambientais, topográficos, fisiográficos, etc, em formato 2D e 3D. Foi ainda possível construir modelos atuais e antigos do estuário do rio que permitiram reconstruir e simular o preenchimento sedimentar nos últimos 13000 anos.

O segundo projeto tinha o objetivo de criar um simulador de sismos e tsunamis no Algarve. Um dos vários fatores que poderiam constituir variáveis na simulação diz respeito ao efeito de sítio, ou seja a contribuição do fator físico natural de cada local. Para este objetivo era, pois, necessário calcular um índice de vulnerabilidade do terreno, função de quatro parâmetros, a litologia, a espessura, a carsificação e o declive. Cada um destes parâmetros foi estudado individualmente, foram-lhes atribuídas subparâmetros e índices de ponderação consoante a sua importância. O resultado final constitui a construção de vários rasters, com grid cell de 10 metros e de um índice de vulnerabilidade do terreno calculado pelo somatório destes rasters usando uma ferramenta específica de cálculo para o efeito.

 

O terceiro projeto tinha o objetivo de monitorizar a praia da zona litoral entre Sines e Tróia antes e depois de períodos de tempestade. Para tal foi usada uma moto4 com um sistema de vários GPSs sintonizados com um laser vertical para obtenção de dados xyz. A subsequente construção de modelos digitais de terreno permitia definir a variabilidade da linha de costa, de volumes de areia, de perfis transversais, do declive das bermas de praia, etc.

 

 

Em resumo, a utilização dos SIG revela-se uma ferramenta de excecional importância na concretização dos objetivos destes projetos. Salientam-se a georreferenciação, a obtenção e posicionamento de dados de campos, a criação de geodatabases e a utilização de extensões e ferramentas analíticas entre shapes, grids e rasters para obtenção de soluções geológicas importantes e rigorosas.

 

Nota Biográfica:

Licenciado em Geologia, dedicou-se à prospeção de recursos minerais metálicos na Faixa Piritosa. Mais tarde, enveredou pela investigação científica, primeiro sobre variações do nível do mar, aplicação de SIG no Estuário do Guadiana e sobre risco sísmico, na Universidade do Algarve; posteriormente, sobre dinâmica costeira na Universidade de Évora e, mais recentemente, no LNEG, dedicou-se, à investigação em geocronologia e geoquímica ligada à mina de Neves-Corvo. É mestre em Gestão Costeira e doutorado em Processos Geológicos. Atualmente desempenha funções na Unidade de Recursos Minerais e Geofísica do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG).

Shares
Share This